Projeto Visita a Museus

 

Uma das tarefas do professor de Literatura é construir com os alunos o entendimento do fenômeno literário como um modo discursivo cujo valor vai além do caráter pragmático, simbolizando-se numa forma de o leitor exercer sua liberdade, exercitando o pensamento e a imaginação, explorando e ultrapassando os limites da linguagem.

Como um exercício de liberdade, a literatura é um direito de todos, como sempre defendeu o professor e crítico literário Antonio Candido, ou seja, um patrimônio que deve ser compartilhado em um espaço democrático que permita ao leitor desenvolver uma espécie de fabulação: criar novos mundos, perceber novas realidades, ocupar lugares sociais diferentes do seu, exercitar o livre pensar. O papel da literatura no contexto escolar é, portanto, o de funcionar como um elemento humanizador importante na formação dos alunos, entendendo humanização como um processo que envolve, ao mesmo tempo, capacidade de reflexão, de imaginação, interesse pelo saber, senso estético, compromisso com o outro, noção da complexidade do mundo, acesso ao humor e às emoções, etc.

Nessa perspectiva, é importante discutir com os alunos sobre a natureza do texto literário: nele está implicada uma organização específica (uma estrutura) que permite uma interação entre o leitor e o mundo. Do ponto de vista didático-pedagógico, considera-se fundamental que o professor privilegie a interação entre os conhecimentos ofertados em sala de aula e o mundo em que o aluno está inserido.

Por isso, há três anos o Colégio Maria Raythe vem desenvolvendo o projeto de visitação de espaços públicos na cidade do Rio de Janeiro, como atividade complementar das aulas de Literatura, com os alunos do EM. A ida a museus, cujas exposições e acervos estão diretamente ligados aos assuntos abordados em cada série escolar, é promovida pelo professor de Literatura, que, neste ano, levou as turmas do 3º e 2º anos ao Paço Imperial e ao Museu Nacional de Belas Artes, respectivamente. Nesses espaços, conheceram a produção artística de pintores e escultores mais representativos dos séculos XIX, XX e XXI. Discutiram, na sala de aula, como o texto pode ser entendido, em seu sentido mais amplo, como um sistema de signos, constituído em forma de palavra ― orais e escritas ―, mas também de imagens, sons, gestos e outros signos não verbais que formam uma unidade de sentido, constituindo um enunciado. O texto, como objeto cultural, é elaborado e lido em uma determinada cultura. Funciona como um meio nos processos de comunicação, representação e figuração de uma dada realidade. Por meio dessa atividade, no âmbito da proposta didático-pedagógica que dá suporte às aulas de Literatura, o texto assume um espaço interdiscursivo atravessado por uma série dinâmica de vários discursos que vigoram em determinado período e lugar. E é com a intersecção desses saberes, sob uma abordagem de caráter sociológico e histórico, dentro de uma perspectiva discursiva, que se configura um bom caminho para a formação de nossos leitores.

 

Colégio Maria Raythe - Rua Haddock Lobo, 233 – Tijuca | Rio de Janeiro - CEP: 20260-141       Telefones:(21) 2234-0733 / 2264-5474
Horário de atendimento da secretaria:  das 7h às 16:30

matriculas_abertas-2018